< Voltar lixo eletrônico

Lixo eletrônico: um acúmulo preocupante que vem crescendo

50 toneladas de lixo eletrônico serão geradas em 2017. Entenda por que isso é preocupante.

Neste ano devemos atingir a impressionante marca de 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico no mundo. Os dados são do relatório divulgado no final de 2016 pelo Programa da ONU para o Meio Ambiente.

O acúmulo de lixo eletrônico é um dos problemas mais preocupantes que enfrentamos hoje. E a preocupação cresce no mesmo ritmo da indústria de eletroeletrônicos. Smartphones e aparelhos de TV já saem de fábrica hoje com um prazo de validade, cada vez mais reduzido.

A América Latina é responsável por 9% do volume de lixo eletrônico no mundo. E o Brasil é o líder do ranking na região, com cerca de 1,4 milhão de toneladas por ano.

Este problema torna-se ainda mais grave no país pela dificuldade de aplicação das leis que regem o setor. A legislação sobre resíduos eletrônicos no Brasil existe desde 2010. Mas na prática, quase nenhuma das cidades brasileiras conta com sistema público para coleta e tratamento dos resíduos.

A ambientalista Ana Maria Dominguez Luz, presidente do Instituto GEA, Ética e Meio Ambiente, alerta para o perigo do descarte de lixo eletrônico como lixo comum. “Dentro de um produto eletrônico há metais pesados, como chumbo, mercúrio e cádmio. Se isso vai parar na rua, na beira de um rio, ou em aterros clandestinos, você tem a contaminação do ambiente em volta.

O problema é ainda mais alarmante se considerarmos que, de acordo com o relatório da ONU, até 90% do lixo eletrônico é comercializado ilegalmente, ou jogado no lixo comum.

O mercado global de resíduos, desde a coleta até a reciclagem, é estimado em 410 bilhões de dólares por ano, e gera emprego e renda.

O trabalho de responsabilidade social da Sanetran visa envolver nossos colaboradores e a sociedade em geral em assuntos relevantes para o meio ambiente.

 

fontes:

http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2017/04/1879303-mundo-produzira-50-milhoes-de-toneladas-de-lixo-eletronico-em-2017.shtml

http://www.cmqv.org/website/artigo.asp?cod=1461&idi=1&moe=212&id=20436

< Voltar